Sobre

Este é Blog Oficial do Movimento Salvem o Cine Excelsior, importante cinema de Juiz de Fora/MG, que visa salvá-lo do desmonte e da destruição.

Entendemos que o Cine Excelsior faz parte das instituições da cultura de Juiz de Fora. Todos os que o frequentaram e a ele estão ligados, sabem o quão importante ele foi, é e será, se conseguirmos salvá-lo.

A importância desta sala é evidente e só não a reconhece aqueles para quem a cultura e moeda sem valor. Durante seu funcionamento, o Cine Excelsior reunia critérios múltiplos na escolha de sua grade de exibição: desde os filmes de grande público, comerciais – e nem por isso menores – aos filmes mais “intelectuais” e que, às vezes, interessavam também um grande público. Isto mostra que a direção do Excelsior valorizava todos os aspectos da criação cinematográfica, o que é essencial.

É bom ressaltar igualmente que, tanto as produções estrangeiras quanto as nacionais eram exibidas em sua imensa tela.

Não podemos assistir à morte do Cine Excelsior de braços cruzados. Ele é o único grande cinema do centro de Juiz de Fora. Além do mais, há que se considerar toda a sua história, desde os idos dos anos 1950, em que sempre foi um lugar de convívio, tanto para os jovens como para os mais idosos. Em suma, um lugar onde todos os apaixonados pela sétima arte se encontravam e se deleitavam no conforto e no aconchego de sua belíssima decoração sóbria e elegante.

Esta sala deverá fazer parte do acervo dos monumentos históricos da cidade. Seria esta a solução ideal para preservá-la da sanha destruidora de maus cidadãos, estes empreendedores imobiliários esfaimados e incultos.

Há ainda dois fatores importantíssimos na análise do futuro do Cine Excelsior. O primeiro é o potencial comercial da sala, que é riquíssimo, tanto no que se refere ao número de entradas, como às atividades extras que se poderia dar a elas como concertos, peças de teatro, seminários, conferências, dentre outras atividades.

O segundo fator é o fato de que, estando no centro da cidade, para ele converge a grande maioria dos moradores e visitantes de Juiz de Fora. O centro é o coração da cidade e a avenida Barão do Rio Branco, onde está localizado o Excelsior, sua artéria principal.

Em nome do nosso Movimento, afirmamos que é preciso que a sociedade civil e o poder público abram seus olhos e seu coração para resgatar o Cine Excelsior para a cultura local e salvar definitivamente da especulação imobiliária que nos últimos 18 anos aterrorizou seu futuro. As gerações presentes e futuras lhes serão gratas e, certamente, se lembrarão de seus gestos no porvir.


Atual Situação

O espaço que outrora sempre foi destinado ao cinema encontra-se gravemente ameaçado. Os atuais proprietários adquiriram o imóvel com a finalidade de abrir um estacionamento. Não houve nenhum respeito pela memória afetiva dos cidadãos que frequentaram o Cine Excelsior. Muito menos pelos grandes nomes das Artes que ali pisaram. Nenhuma consideração pelo que foi um dos melhores cinemas do país até o início dos anos 1990, que se valeu de equipamentos até então inéditos no país.

O fechamento do Cine Excelsior teve outro aspecto ignorado: a falta de movimento de pessoas em suas vizinhanças contribuiu também para a degradação ambiental da área e as consequentes sensação de insegurança e aumento de casos de violência, próxima à Praça do Riachuelo e ao Santa Cruz Shopping. A sua reabertura depende do apoio do Poder Público, que fortalecerá as bases para uma reforma no seu interior, contribuindo assim para a revitalização do entorno.

Indignados com a atual situação a que o imóvel encontra-se, resolvemos realizar atos públicos de caráter cidadão, artístico, lúdico e pacífico, espelhando como a Arte Cinematográfica deve ser prioritariamente preservada, por ser seu lugar de existência em si: o Cine Excelsior a melhor sala de exibição que já vimos na cidade.

No dia 28 de dezembro de 2011, atendendo às denúncias do Movimento Salvem o Cine Excelsior (juntamente com às do próprio Condomínio do Edifício Excelsior), as obras irregulares, que ocorriam há mais de 60 dias, no imóvel do Cine Excelsior foram finalmente suspensas pela Prefeitura de Juiz de Fora.

Segundo notificação realizada pela Secretaria de Atividades Urbanas (SAU), enquanto os novos proprietários não providenciarem um projeto real da obra, um estudo de impacto na laje e edificação do edifício e um projeto viário de impacto no trânsito na Avenida Barão do Rio Branco, a obra está suspensa e proibida de continuar sob qualquer aspecto.

Esta foi apenas a pequena vitória real do nosso Movimento! Porém, é apenas uma das muitas batalhas que estão por vir, no sentido da destinação cultural do Cine Excelsior. Sabedores que tais projetos e estudos poderão ser moldados e viabilizados e que, conforme interesses puramente econômicos, podem até a vir a ser aprovados, o Movimento de Salvamento do Cine Excelsior tem certeza que agora em diante deste pedido de Tombamento aos órgãos competentes estará impedindo definitivamente qualquer uso que não o cultural vir a acontecer ali.

Questionamos, inclusive, a todo momento na imprensa, o porquê da existência de um estacionamento justamente no Cine Excelsior, localizado na principal avenida da cidade, no qual a atividade só proporcionará o gradativo aumento no seu tráfego (já congestionado), ainda mais pela inexistência de condições ideais de ventilação no interior do imóvel. Será que virar estacionamento é uma sina dos cinemas em Juiz de Fora?

Em junho de 2012, a nona tentativa de tombamento ou declaração de bem de interesse cultural para o Cine Excelsior foi recusada, durante reunião mensal do Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Cultural (Comppac). O pedido havia sido encaminhado pelo movimento “Salvem o Cine Excelsior”, iniciado logo após a retirada e a venda das cadeiras do espaço no final do ano passado. Com dez votos contra dois e uma abstenção, o Comppac não encontrou justificativas para preservar o imóvel – inaugurado como cinema em 1958 – ou limitar a utilização pelos proprietários. O Excelsior já teve nove solicitações de tombamento, por diferentes autores. Todas elas foram recusadas. “Isso não é teimosia de quem defende o prédio. É prova de que a população legitimou sua importância”, opina o cineasta Franco Groia. Segundo o superintendente da Funalfa e presidente do Comppac, Toninho Dutra, o conselho julga somente o mérito técnico da questão a partir de relatório elaborado, independentemente do número de pessoas pedindo um tombamento.

Porém, conseguimos mobilizar a opinião pública, ganhamos a imprensa e conseguimos o apoio de centenas de pessoas e até de vários Vereadores (inclusive o atual Presidente do Legislativo) para o projeto de preservar o Cine Excelsior através do Tombamento de Interesse Cultural do imóvel.

Nada é mais natural que garantir e assegurar a verdadeira vocação do imóvel do Cine Excelsior do que seu Tombamento pelo Interesse Cultural e a indicação ao Estado – conforme o interesse de todos aqueles que apoiaram a iniciativa de nosso Movimento. Este intuito visa garantir definitivamente a destinação cultural do espaço para fins desta natureza – atividade que lhe foi atribuída desde a concepção arquitetônica e artística.

Espalhe no Facebook